VAYETSÊ

Posted on novembro 23, 2020

VAYETSÊ

Luz em Tempos de Escuridão

O rabino Sacks z”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado em seu livro Lessons in Leadership. O Escritório do Rabino Sacks continuará distribuindo esses ensaios todas as semanas, para que as pessoas ao redor do mundo possam continuar a aprender e se inspirar em sua Torá.

O que fez Jacob – não Abraham, Isaac ou Moisés – o verdadeiro pai do povo judeu? Somos chamados de “congregação de Jacob”, “os filhos de Israel”. Jacob / Israel é o homem cujo nome levamos. No entanto, Jacob não começou a jornada judaica; Abraham o fez. Jacob não enfrentou nenhum julgamento como o de Isaac na Amarração. Ele não conduziu o povo para fora do Egito nem trouxe a Torá para eles. Com certeza, todos os seus filhos permaneceram na fé, ao contrário de Abraham ou Isaac. Mas isso simplesmente empurra a questão um nível para trás. Por que ele teve sucesso onde Abraham e Isaac falharam?

Parece que a resposta está na parshá Vayetsê e parshá Vayshlach. Jacob foi o homem cujas maiores visões lhe ocorreram quando estava sozinho à noite, longe de casa, fugindo de um perigo para o outro. Na parshá Vayetsê, escapando de Esaú, ele para e descansa durante a noite apenas com pedras para se deitar, e ele tem uma epifania:

Ele teve um sonho em que viu uma escada apoiada na terra, com seu topo alcançando o céu, e os anjos de D-s estavam subindo e descendo nela… Quando Jacob acordou de seu sono, ele pensou: “Certamente o Senhor está neste lugar, e eu não sabia disso”. Ele ficou com medo e disse: “Quão incrível é este lugar! Esta não é outra senão a casa de D-s; esta é a porta do céu.” (Gênesis 28: 12-17)

Na parshá Vayshlach, fugindo de Labão e apavorado com a perspectiva de encontrar Esaú novamente, ele luta sozinho à noite com um estranho não identificado:

Então o homem disse: “Seu nome não será mais Jacob, mas Israel, porque você lutou com D-s e com os humanos e venceu.”… Então Jacob chamou o lugar de Peniel, dizendo: “É porque eu vi D-s face a face, e ainda assim minha vida foi poupada.” (Gênesis 32: 29-31)

Esses são os encontros espirituais decisivos da vida de Jacob, mas acontecem no espaço liminar (o espaço entre, nem no ponto de partida nem no de destino), em um momento em que Jacob está em risco em ambas as direções – de onde ele vem e para onde está indo. No entanto, é nesses pontos de vulnerabilidade máxima que ele encontra D-s e encontra a coragem para continuar, apesar de todos os riscos da jornada.

Essa é a força que Jacob legou ao povo judeu. O que é notável não é apenas que este pequeno povo sobreviveu a tragédias que teriam representado o fim de qualquer outro povo: a destruição de dois templos; as conquistas babilônicas e romanas; as expulsões, perseguições e pogroms da Idade Média; a ascensão do antissemitismo na Europa do século XIX; e o Holocausto. É verdadeiramente surpreendente que, após cada cataclismo, o Judaísmo se renovasse, alcançando novos patamares de realização.

Durante o exílio na Babilônia, o Judaísmo aprofundou seu envolvimento com a Torá. Após a destruição de Jerusalém pelos romanos, ela produziu os grandes monumentos literários da Torá Oral: Midrash, Mishná e Gemara. Durante a Idade Média, produziu obras-primas da lei e comentários da Torá, poesia e filosofia. Apenas três anos após o Holocausto, ele proclamou o Estado de Israel, o retorno judeu à história após a noite mais escura do exílio.

Quando me tornei Rabino Chefe, tive que passar por um exame médico. O médico me fez andar em um ritmo muito rápido em uma esteira. “O que você está testando?” Eu perguntei a ele. “Quão rápido eu posso ir, ou por quanto tempo?” “Nenhum dos dois”, respondeu ele. “Estarei observando quanto tempo leva para seu pulso para voltar ao normal, depois que você sair da esteira.” Foi quando descobri que a saúde se mede pelo poder de recuperação. Isso é verdade para todos, mas duplamente para os líderes e para o povo judeu, uma nação de líderes. (Isso, eu acredito, é o que a frase “um reino de sacerdotes” significa. [Êxodo 19: 6])

Os líderes sofrem crises. Isso é um dado de liderança. Quando Harold Macmillan, primeiro-ministro da Grã-Bretanha entre 1957 e 1963, foi questionado sobre qual foi o aspecto mais difícil de seu tempo no cargo, ele respondeu com a famosa resposta: “Eventos, meu caro, eventos”. Coisas ruins acontecem e, quando acontecem, o líder deve se esforçar para que os outros possam dormir facilmente em suas camas.

A liderança, especialmente em questões espirituais, é profundamente estressante. Quatro figuras no Tanach – Moisés, Elias, Jeremias e Jonas – na verdade oraram para morrer em vez de continuar. Isso não era verdade apenas no passado distante. Abraham Lincoln sofreu crises profundas de depressão. O mesmo ocorreu com Winston Churchill, que o chamou de “cachorro preto”. Mahatma Gandhi e Martin Luther King Jr. tentaram suicídio na adolescência e experimentaram doença depressiva na vida adulta. O mesmo aconteceu com muitos grandes artistas criativos, entre eles Michelangelo, Beethoven e Van Gogh.

É a grandeza que leva a momentos de desespero ou momentos de desespero que levam à grandeza? Aqueles que lideram internalizam os estresses e tensões de seu tempo? Ou será que aqueles que estão acostumados ao estresse em suas vidas emocionais encontram alívio em levar uma vida excepcional? Não há uma resposta convincente para isso na literatura até agora. Mas Jacob era um indivíduo emocionalmente mais instável do que Abraham, que frequentemente ficava sereno mesmo diante de grandes provações, ou Isaac, que era particularmente retraído. Jacob temeu; Jacob amou; Jacob passou mais tempo no exílio do que os outros patriarcas. Mas Jacob resistiu e persistiu. De todas as figuras do Gênesis, ele foi o grande sobrevivente.

A capacidade de sobreviver e se recuperar faz parte do que é preciso para ser um líder. É a vontade de viver uma vida de riscos que torna essas pessoas diferentes das outras. Foi o que disse Theodore Roosevelt em um dos maiores discursos já feitos sobre o assunto:

Não é o crítico que importa; não aquele homem que aponta como o homem forte fraqueja, ou onde aqueles que realizaram algo poderiam tê-lo feito melhor. O crédito pertence ao homem que encontra-se na arena, cuja face está manchada de poeira, suor e sangue; aquele que esforça-se bravamente; que erra, que se depara com um revés após o outro, pois não há esforço sem erros e falhas; aquele que esforça-se para lograr suas ações, que conhece grande entusiasmo, grandes devoções, que se entrega à uma causa nobre; que, no melhor dos casos, conhece no fim o triunfo da realização grandiosa, e quem, que no pior dos casos, se falhar, ao menos falha ousando grandemente, para que seu lugar jamais seja com aquelas frias e tímidas almas que não conhecem vitória ou fracasso.[1]

Jacob suportou a rivalidade de Esaú, o ressentimento de Labão, a tensão entre suas esposas e filhos, a morte prematura de sua amada Rachel e a perda – por vinte e dois anos – de seu filho favorito, Yosef. Ele disse ao Faraó: “Poucos e maus foram os dias da minha vida”. (Gênesis 47: 9) No entanto, no caminho ele “encontrou” anjos, e quer estivessem lutando com ele ou subindo a escada para o céu, eles iluminaram a noite com a aura da transcendência.

Tentar, cair, temer e, no entanto, seguir em frente: isso é o que é preciso para ser um líder. Esse foi Jacob, o homem que nos momentos mais difíceis de sua vida teve suas maiores visões do céu.

 

 

NOTAS
[1] Theodore Roosevelt, “Citizenship in a Republic”, discurso proferido na Sorbonne, Paris, 23 de abril de 1910.

 

Texto original “Light in Dark Times” por Rabbi Lord Jonathan Sacks

PARASHIOT MAIS RECENTES

VAETCHANAN

O Menor de Todos os Povos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, basead...

Leia mais →

DEVARIM

O Líder como Professor O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado ...

Leia mais →

MATOT – MASSEI

Resolução de Conflitos O Rabino Sacks zt”l preparou um ano inteiro de  Covenant & Conversation  para 5781, baseado...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS