VAYETSE

Posted on novembro 29, 2022

VAYETSE

Como a Luz Entra

Por que Jacob? Essa é a pergunta que nos fazemos repetidamente ao lermos as narrativas do Gênesis. Jacob não é o que era Noach: justo, perfeito em suas gerações, aquele que andava com D-s. Ele não deixou, como Avraham, sua terra, sua terra natal e a casa de seu pai em resposta a um chamado divino. Ele não, como Isaac, se ofereceu como sacrifício. Ele também não tinha o ardente senso de justiça e disposição para intervir que vemos nas vinhetas do início da vida de Moisés. No entanto, somos definidos para sempre como os descendentes de Jacob, os filhos de Israel. Daí a força da pergunta: Por que Jacob?

A resposta, parece-me, está sugerida no início da parashá desta semana. Jacob estava no meio de uma jornada de um perigo para outro. Ele havia saído de casa porque Esaú havia jurado matá-lo quando Isaac morresse. Ele estava prestes a entrar na casa de seu tio Labão, o que por si só apresentaria outros perigos. Longe de casa, sozinho, ele estava em um ponto de vulnerabilidade máxima. O pôr do sol. A noite caiu. Jacob deitou-se para dormir e então teve esta visão majestosa:

Ele sonhou: – “Ve-hinei!” – Ele viu uma escada colocada no chão, cujo topo alcançava os céus. – “Ve-hinei!” – Nela, anjos de D-s subiam e desciam. – “Ve-hinei!” – O Senhor estava ali sobre ele e disse: “Eu sou o Senhor, o D-s de Avraham, teu pai, e o D-s de Isaac. A terra em que estás deitado, darei a ti e à tua descendência. A tua descendência será como o pó da terra, e espalhar-te-ás para o ocidente, para o oriente, para o norte e para o sul. Através de você e seus descendentes, todas as famílias da terra serão abençoadas. – “Ve-hinei!” – Estou com você. Eu o protegerei onde quer que você vá e o trarei de volta a esta terra, pois não o deixarei até que Eu tenha feito o que Eu disse a você.

Então Jacob acordou de seu sono e disse: “Verdadeiramente, o Senhor está neste lugar – e eu não sabia!” Ele ficou com medo e disse: “Quão assombroso é este lugar! Esta não é outra senão a Casa de D-s, e esta é a porta dos céus.” (Gn 28:12-17)

Observe o quádruplo ve-hinei, em português “e veja!”, uma expressão de surpresa. Nada preparou Jacob para este encontro, ponto enfatizado em suas próprias palavras quando diz: “o Senhor está neste lugar – e eu não sabia”. O próprio verbo usado no início da passagem, “Ele chegou a um lugar”, em hebraico vayifga ba-makom, também significa um encontro inesperado. Mais tarde, em hebraico rabínico, a palavra ha-Makom, “o lugar”, passou a significar “D-s”. Portanto, de maneira poética, a frase vayifga ba-makom pode ser lida como: “Jacob encontrou com (teve um encontro inesperado com) D-s”.

Acrescente a isso a luta noturna de Jacob com o anjo na parashá da próxima semana e teremos uma resposta para nossa pergunta. Jacob é o homem que tem suas experiências espirituais mais profundas sozinho, à noite, diante do perigo e longe de casa. Ele é o homem que encontra D-s quando menos espera, quando sua mente está em outras coisas, quando está com medo e possivelmente à beira do desespero. Jacob é o homem que, no espaço liminar, no meio da jornada, descobre que “Certamente o Senhor está neste lugar – e eu não sabia!”

Jacob tornou-se assim o pai do povo que teve seu encontro mais próximo com D-s no que Moisés mais tarde descreveria como “a floresta uivante de um deserto”. (Deuteronômio 32:10) Excepcionalmente, os judeus sobreviveram a toda uma série de exílios e, embora a princípio tenham dito: “Como podemos cantar a canção do Senhor em uma terra estranha?” eles descobriram que a Shechiná, a presença divina, ainda estava com eles. Embora tivessem perdido todo o resto, eles não perderam o contato com D-s. Eles ainda poderiam descobrir que “o Senhor está neste lugar – e eu não sabia!”

Avraham deu aos judeus a coragem de desafiar os ídolos da época. Isaac deu-lhes a capacidade de autossacrifício. Moisés os ensinou a serem lutadores apaixonados pela justiça. Mas Jacob deu a eles o conhecimento de que, precisamente quando você se sente mais sozinho, D-s ainda está com você, dando-lhe coragem para esperar e força para sonhar.

O homem que deu a isso a expressão poética mais profunda foi, sem dúvida, David no livro dos Salmos. Uma e outra vez ele clama a D-s do coração das trevas, aflito, sozinho, dolorido, com medo:

Salva-me, ó D-s,
porque as águas da enchente me atingem o pescoço.
Mais e mais fundo eu afundo na lama;
Não consigo encontrar um ponto de apoio.
Estou em águas profundas,
e as enchentes me oprimem. (Salm. 69:2-3)

Das profundezas, ó Senhor,
clamo por sua ajuda. (Salm. 130:1)

Às vezes, nossas experiências espirituais mais profundas acontecem quando menos esperamos, quando estamos mais próximos do desespero. É então que as máscaras que usamos são retiradas. Estamos em nosso ponto de vulnerabilidade máxima – e é quando estamos mais abertos a D-s que D-s está mais aberto a nós. “Perto está o Senhor dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito abatido” (Sl.34:18). “Meu sacrifício, ó D-s, é um espírito quebrantado; um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó D-s”. (Sl 51:17) D-s “cura os quebrantados de coração e cuida de suas feridas”. (Sl 147:3)

Rav Nahman de Bratslav costumava dizer; “Uma pessoa precisa clamar ao seu Pai no céu com uma voz poderosa do fundo do seu coração. Então D-s ouvirá a sua voz e se voltará ao seu clamor. E pode ser que a partir deste ato em si, todas as dúvidas e obstáculos que o estão impedindo de servir verdadeiramente a Hashem caiam dele e sejam completamente anulados.” [1]

Encontramos D-s não apenas em lugares sagrados ou familiares, mas também no meio de uma jornada, sozinhos à noite. “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum porque Tu estás comigo.” A mais profunda de todas as experiências espirituais, a base de todas as outras, é saber que não estamos sozinhos. D-s está nos segurando pela mão, nos protegendo, levantando-nos quando caímos, perdoando-nos quando falhamos, curando as feridas de nossa alma através do poder de Seu amor.

Meu falecido pai de abençoada memória não era um judeu erudito. Ele não teve a chance de se tornar um. Ele veio para a Grã-Bretanha como uma criança e um refugiado. Ele teve que deixar a escola jovem e, além disso, as possibilidades de educação judaica naqueles dias eram limitadas. Apenas sobreviver tomava a maior parte do tempo da família. Mas eu o vi andar alto como um judeu, sem medo, às vezes até desafiador, porque quando ele orava ou lia os Salmos, sentia intensamente que D-s estava com ele. Essa fé simples deu-lhe imensa dignidade e força de espírito.

Essa foi sua herança de Jacob, assim como é nossa. Embora possamos cair, caímos nos braços de D-s. Embora outros possam perder a fé em nós, e embora possamos até perder a fé em nós mesmos, D-s nunca perde a fé em nós. E embora possamos nos sentir totalmente sozinhos, não estamos. D-s está aí, ao nosso lado, dentro de nós, incitando-nos a ficar de pé e seguir em frente, pois há uma tarefa a fazer que ainda não fizemos e para a qual fomos criados. Um cantor de nosso tempo escreveu: “Há uma rachadura em tudo. É assim que a luz entra.” O coração quebrantado deixa entrar a luz de D-s e se torna a porta do céu. [2]

 

NOTAS
[1] Likutei Maharan 2:46.
[2] Hino de Leonard Cohen.

 

Texto original “How the Light Gets In” por Rabbi Lord Jonathan Sacks zt’l

PARASHIOT mais recentes

PARASHIOT MAIS RECENTES

TAZRIA

Otelo, WikiLeaks e paredes mofadas Foi a Septuaginta, a antiga tradução grega da Bíblia Hebraica, que traduziu tsara’at,...

Leia mais →

SHEMINI

Espontaneidade: Boa ou Ruim? Shemini conta a trágica história de como a grande inauguração do Tabernáculo, um dia sobre o qua...

Leia mais →

TZAV

Por Que as Civilizações Morrem Em The Watchman’s Rattle, com o subtítulo Thinking Our Way Out of Extinction, Rebecca Cos...

Leia mais →

HORÁRIOS DAS REZAS